noticias Seja bem vindo ao nosso site Rádio Brasil Cannabis!

Economia

O Brasil de costas para a América Latina

Na região, regulamentação brasileira sobre cannabis só não está mais atrasada do que as da Venezuela e da Bolívia

Publicada em 18/09/22 às 13:34h - 29 visualizações

por ANITA KREPP


Compartilhe
Compartilhar a notícia O Brasil de costas para a América Latina  Compartilhar a notícia O Brasil de costas para a América Latina  Compartilhar a notícia O Brasil de costas para a América Latina

Link da Notícia:

O Brasil de costas para a América Latina
Farmacêuticos manipulam planta de maconha em laboratório  (Foto: Poder 360)

Agora, é oficial: o Brasil ficou para trás no que se refere à regulamentação da cannabis na América Latina. Nosso país está à frente apenas da Bolívia e Venezuela, onde o uso da planta não é admitido sob nenhuma circunstância. Por aqui, como sabemos, temos como consolo o uso medicinal, que, embora admitido, é cercado por muitas barreiras de acesso.


A primeira delas é o preço, uma vez que a nossa legislação ainda não permite a produção interna dos insumos para a produção dos medicamentos, bem como o autocultivo, que, inegavelmente, é a maneira mais efetiva para democratizar o acesso à população.

Panamá e Costa Rica são 2 dos países latino-americanos que, recentemente, deram o aval para a expansão da cannabis em seu território. Depois de 3 anos de trabalho intenso, o Panamá, depois de sanção do presidente Laurentino Cortizo, finalmente aprovou a regulamentação da cannabis medicinal e industrial na semana passada.


O movimento que nos colocou quase na lanterninha do continente ocorreu por inércia. Enquanto, no Brasil, nenhum candidato às eleições gerais deste ano teve coragem de abordar o tema –e os que já o fizeram no passado deram um passo para trás, caso do candidato ao governo do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo–, em outros países da América Latina, a cannabis não apenas foi tema de campanhas eleitorais como também foi alçada a assunto prioritário. Nossos hermanos perceberam que a cannabis voltou para ficar e estão abrindo espaço para que a planta cumpra seu legado na melhora da qualidade de vida e na recuperação de economias.


Panamá e Costa Rica são 2 dos países latino-americanos que, recentemente, deram o aval para a expansão da cannabis em seu território. Depois de 3 anos de trabalho intenso, o Panamá, depois de sanção do presidente Laurentino Cortizo, finalmente aprovou a regulamentação da cannabis medicinal e industrial na semana passada.


Por sua posição estratégica −o Panamá faz parte de uma zona livre de impostos e tem sua economia balizada em dólares–, o empreendedor panamenho em cannabis e psicodélicos, Raymond Harari, acredita que, se o país acelerar na adequação da indústria às novas leis, tem tudo para se tornar o principal hub de cannabis no continente.


Os primeiros movimentos do Panamá devem ser de importação de matéria-prima –sobretudo da Colômbia e do Uruguai−, para o processamento de medicamentos à base de cannabis para suprir a população interna.





EM PROFUSÃO

Na Costa Rica, que legalizou os usos medicinal e industrial da cannabis em março de 2022, já se fala abertamente sobre uma provável autorização para o uso adulto da erva. Em agosto, o presidente Rodrigo Chaves anunciou, em um ato comemorativo aos 100 dias de seu mandato, que pretende legalizar também o uso recreativo da cannabis no país que, em uma janela de 3 anos, passou a figurar entre os destinos mais populares no mundo.


Queridinha sobretudo entre os trabalhadores remotos –categoria que observou um crescimento sem precedentes durante a pandemia–, a Costa Rica tem atraído a atenção de quem cogitava mudar-se para a Indonésia, outro rumo disputado entre os chamados nômades digitais. A mudança de rumo não é por acaso. Entre um paraíso em que você pode ir preso se for pego com maconha e outro em que pode desfrutar da erva sem se meter em problemas judiciais, qual você escolheria?


A brasileira Amanda Baleiro reflete sobre a questão. Atualmente, ela trabalha remotamente em Mallorca, ilha Espanhola a cerca de 200 km de Barcelona. Já viveu em Londres e Ibiza, e já se planeja para mudar de ares nos próximos meses. Primeiro, pensou em Bali, na Indonésia, mas quando soube que o governo local é super estrito sobre o uso de cannabis, repensou a ideia. Desde então, a Costa Rica tem figurado como uma possibilidade real, ainda mais depois das últimas notícias cannabis friendly.


Outro vizinho latino-americano que anda flertando com o uso recreativo da erva é a Colômbia. Desde julho, há um projeto de lei em tramitação −e com grandes chances de ser aprovado− que propõe a legalização para este fim. O presidente Gustavo Petro, empossado em agosto, não poderia ser mais claro quanto ao seu posicionamento sobre esse tema. Para ele, a cannabis deveria ser tratada como mais um cultivo, como se fosse como milho e batata.


EXPORTAR OU NÃO, EIS A QUESTÃO

Se as indústrias estão buscando uma direção para onde apontar, basta observar os líderes do setor. O México é, até agora, o mercado mais importante da América Latina, com um faturamento de quase US$ 60 milhões, e legalizou o uso adulto da maconha há apenas alguns meses. Por lá, as coisas ainda estão se ajeitando, mas não há dúvidas de que o país se estabelecerá como uma potência mundial da cannabis, cujo mercado pode atingir o valor de US$ 300 milhões em 2024.


Se você prestar atenção, vai notar que de todo lado do continente surgem novos possíveis líderes da indústria canábica, mas a verdade é que essa questão ainda não foi definida. Até aqui, o que se vê é um enorme interesse sobre as exportações, com destaque para Colômbia e Uruguai, mas que novatos como o Equador também começam a explorar. Portanto, o único grau de liderança que se pode mensurar até o momento é o valor negociado em exportações. No Uruguai, por exemplo, foram negociados US$ 7 milhões em exportação, em 2020, e US$ 8 milhões, em 2021; quase 30% a mais que na Colômbia, onde a cifra gira em torno dos US$ 5 milhões ao ano.


Entre todas as matérias-primas exportadas, a flor seca corresponde a pouco mais da metade desses números, e vem despertando interesse sobretudo de países como Alemanha, Suíça e Israel, que estão em pleno desenvolvimento de suas respectivas legislações canábicas. Tais países mantêm estudos científicos e sociais sobre o tema e oferecem à população o acesso à cannabis, graças aos insumos que chegam da América Latina.


Os milhares de hectares de que o continente latino-americano dispõe e as muitas horas diárias de sol que recebe, são vantagens reconhecidas pelos demais países, que observam de perto os avanços da região. Os entraves, por ora, estão relacionados às certificações de qualidade. O padrão europeu preconiza um selo GMP (certificado de boas práticas de fabricação) de que a maioria dos países latino-americanos não dispõem, o que necessariamente faz com que eles recorram a empresas europeias que possam atestar o tal padrão de qualidade.


Argentina e Brasil são um caso à parte. Ambos têm um tipo de GMP mais parecido ao europeu e, portanto, enfrentariam menos barreiras para vender ao velho continente. A Argentina já se movimenta para atingir os previstos US$ 50 milhões anuais de exportação até 2025. Já o Brasil…





ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 84998797676

Visitas: 1127407
Usuários Online: 16
Copyright (c) 2022 - Rádio Brasil Cannabis - O IBCA está enquadrada no âmbito das políticas e práticas de Redução de Danos e dentro do direito fundamental e preceito constitucional da liberdade de expressão
Converse conosco pelo Whatsapp!